Veja quais são os cuidados ao escolher um suplemento

A maior parte das pessoas que frequenta academia já ouviu falar sobre suplementos, inclusive, já tendo feito uso de algum produto desse tipo. Contudo, ainda que seja um investimento válido — já que essas substâncias potencializam o efeito da combinação dieta + malhação, complementando os nutrientes que nem sempre podem ser consumidos através da alimentação — isso não significa que ingerir suplementos sem orientação e de maneira desenfreada seja indicado.

As opções disponíveis no mercado são inúmeras, por isso o ideal é procurar um médico ou nutricionista para uma melhor prescrição, de acordo com os objetivos, necessidades e perfil do esportista. É também essencial ter consciência de que os suplementos não fazem mágica. Afinal, para obter os resultados esperados, uma boa alimentação e a prática regular de exercícios é indispensável.

Para saber mais, acompanhe os tópicos seguintes e veja quais cuidados ter ao escolher um suplemento!

Cuidados ao escolher um suplemento

Mesmo consciente da indicação correta, é necessário estar bem atento ao suplemento que será consumido, e buscar informações sobre a procedência, substâncias contidas e demais informações que possam assegurar a idoneidade do produto.

Para que se tenha dimensão dos prejuízos que causados por um produto com substâncias anabolizantes (componentes derivados de hormônios masculinos), nas mulheres, podem levar a irregularidade na menstruação, aumento na largura das cordas vocais — deixando a voz mais grave —, gerar o aparecimento de pelos, a atrofia dos seios e até hipertrofia do clitóris.

Nos homens, os anabolizantes podem provocar ao crescimento das mamas, a atrofia dos testículos — prejudicando a produção de espermatozoides — e ainda gerar um câncer nessa glândula e a impotência. Além disso, em ambos os gêneros, podem potencializar a agressividade, oscilação de humor, surgimento de crises depressivas, paranoia, alta do colesterol ruim, hipertensão, enxaqueca, queda de cabelo, infarto, tumores no fígado, e até morte súbita.

Por tudo isso, deve-se deixar de lado a ideia de comprar o mesmo suplemento que um conhecido ou amigo utiliza, ou comprar pela internet por meio de sites duvidosos, apenas porque oferecem preços mais atrativos. O ideal é buscar marcas conceituadas, produtos comercializados por lojas idôneas e bem estabelecidas. E, é claro, solicitar dicas ao médico ou ao nutricionista de onde adquirir as substâncias prescritas.

Agora confira alguns suplementos confiáveis e suas principais características — não se esquecendo de tomar os devidos cuidados antes da compra!

Whey Protein

Composto por uma proteína isolada do soro do leite, esbanja grandes quantidades de aminoácidos que o corpo não fabrica, auxiliando no processo de hipertrofia. O Whey, inclusive, é considerado a fonte mais rica desses nutrientes.

Não há restrições ao seu consumo — isto é, ele pode ser utilizado por qualquer indivíduo. Ainda que seja um suplemento genérico, existem várias classificações, dependendo do tipo de filtragem usado para obtê-lo:

  • Concentrado: extraído do leite por meio de uma filtragem mais leve. Tem um teor de proteína que se situa entre 70 e 80%, a depender do fabricante.

  • Isolado: de extração por um processo químico, obtém-se 95% de proteínas. Em comparação com o Whey concentrado, é de mais rápida absorção.

  • Hidrolisado: por meio de um processo chamado hidrólise enzimática, as moléculas de proteína são quebradas em tamanhos menores, facilitando a sua digestão. É de absorção ainda mais veloz que o isolado.

  • Time-release: possui diversas fontes de proteína na sua composição, o que potencializa a concentração dos aminoácidos e torna a sua absorção um pouco mais lenta. Sua liberação no organismo é gradativa, proporcionando um resultado de longo prazo.

Caseína

Em sua composição, a caseína possui 80% de proteína do leite, favorecendo o ganho de massa muscular. Sua estrutura química é grande e complexa, por isso a absorção pelo organismo é mais lenta, em comparação com a do Whey Protein, o que proporciona um pequeno, mas regular aumento dos aminoácidos no sangue. Isso acaba fazendo com que ela seja uma boa opção para aqueles que ficam um período longo sem alimentação

Creatina

A creatina consiste num aminoácido de origem animal, obtido através da carne de alguns peixes, como o salmão, o atum e o arenque. Seu efeito é eficaz para o aumento de massa e melhora do desempenho, especialmente em exercícios que demandam alta intensidade e curta duração, como em sprints, por exemplo.

Mas não só isso: ela ajuda o praticante a se recuperar mais facilmente do esforço físico. Contudo, seu uso desenfreado pode provocar náusea, evacuação e problemas nos rins. Por essa razão, aqueles que já sofrem com problemas renais devem escolher outro suplemento.

Óxido Nitrico

É uma substância que dilata os vasos sanguíneos, permitindo que o músculo receba mais irrigação sanguínea, oxigênio e nutrientes, e, consequentemente, proporcionando a hipertrofia muscular. O ideal é consumi-lo antes da pratica esportiva, preferencialmente associado a alguma proteína. Pessoas que sofrem com hipertensão, ou problemas cardiovasculares não devem usar essa substância.

Glutamina

A glutamina é produzida pelo próprio corpo e representa cerca de 60% do tecido muscular esquelético. Ainda assim, sua ingestão é recomendada para atletas de alto desempenho, pois a carência de glutamina nos músculos, nesses casos, é maior do que o organismo é capaz de gerar. Ela ainda auxilia na recuperação após o exercício de alta intensidade, sobretudo a musculação, coibindo o desgaste da musculatura e a perda de massa magra.

Maltodextrina

A maltodextrina é um carboidrato que tem origem no amido de milho. Sua absorção pelo corpo é gradual e lenta, liberando glicose aos poucos, e é exatamente essa característica que faz com que ofereça energia ao longo da atividade física, principalmente as de longa duração, que demandam muita resistência.

Não é à toa que ela é muito consumida por atletas de futebol, basquete, maratonistas e por muitos praticantes de musculação. Sua ingestão deve ser anterior ou mesmo durante o treino, não devendo ser consumida por diabéticos.

BCAA

A sigla significa Branch Chain Amino Acids, que quer dizer aminoácidos de cadeia ramificada, e existem três versões: L-Valina, L-Leucina e L-Isoleucina. Os BCAA formam até 35% da massa muscular corporal e são essenciais para a manutenção e o crescimento da musculatura, impedindo que o praticante perca massa muscular e ainda reconstituindo os tecidos.

É importante lembrar: mesmo agora que você já conhece os principais cuidados a tomar antes da compra dos suplementos, bem como riscos e características associados a cada substância, ao escolher um suplemento não se esqueça de buscar a recomendação de médicos e nutricionistas.

E então, gostou do post? De todo modo, sinta-se à vontade para nos deixar suas dúvidas nos comentários!

3 Comentários

  1. Francisco Josésays:

    Gostei muito,parabens se poder trazer informações sobre o consumo quantidade e combinações de cada suplementos.

  2. Ubiratan Rosa Passossays:

    A Glutamina pode ser consumida por diabéticos? Há estudos que comprovam a melhora da glicemia pós prandial em pacientes diabéticos sob o uso da Glutamina.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"